Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 22 de março de 2009

LIÇÃO 09

Pedro, um Discípulo Sincero e Dinâmico

TEXTO ÁUREO


"Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo"
(2 Co 5.17).



VERDADE PRÁTICA


O Espírito Santo transforma o caráter do crente que a Ele se entrega incondicionalmente.



OBJETIVOS


Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a:
Explicar a mudança do nome de Simão para Pedro.
Descrever o chamado e restauração de Pedro.
Reconhecer que Jesus vocaciona os homens a despeito de suas falhas.


INTRODUÇÃO

Palavra Chave:Sincero
Virtude mediante a qual a pessoa, em palavras e atos, se conduz sem a intenção de enganar.

Pedro é, sem dúvida alguma, um dos principais personagens do Novo Testamento. Os Evangelhos e o livro de Atos biografam-no com admirável riqueza de detalhes. Neles, o apóstolo é apresentado como um homem impulsivo, porém, sincero e dinâmico.

I. PEDRO, PESCADOR DE HOMENS (Lc 5.8-10)

1. Simão, o pescador. Simão Pedro e seu irmão André eram pescadores e companheiros de outros dois irmãos, também pescadores: João e Tiago, filhos de Zebedeu (v.10). Pedro era de Betsaida, uma aldeia que ficava ao norte do mar da Galiléia (Jo 1.44). Porém, estabelecera sua residência em Cafarnaum, noroeste do lago. Com ele residia sua esposa, sogra e André (Mc 1.21,29).

2. Pedro, pescador de homens. Após o encontro com Jesus, Simão retornou imediatamente à pesca (Lc 4.38,39; 5.1-3 cf. Mt 4.18-22; Mc 1.16-20; Jo 1.42). Certo dia, Simão e seus companheiros passaram uma noite inteira pescando e nada apanharam. Aquela longa e malsucedida vigília fez com que retornassem à praia mais cedo (Lc 5.5). Ao chegarem, depararam-se com Jesus que ensinava à multidão. O Mestre, vendo dois barcos à beira do lago, entrou no que pertencia a Simão, e pediu-lhe que o afastasse um pouco da praia. Sentou-se, e de lá continuou seus ensinamentos (Lc 5.3). Acabando de falar, ordenou a Simão que lançasse a rede em águas mais profundas. O pescador da Galiléia relutou em obedecer ao Filho de Deus, mas, logo depois, decidiu confiar em suas palavras (Lc 5.5). A Bíblia afirma que, naquele dia especial, "pescaram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede" (v.6). Simão ficou tão espantado com o milagre que imediatamente prostrou-se aos pés de Cristo confessando-lhe os pecados (Lc 5.8,9). Então, o Mestre Divino asseverou-lhe: "Não temas; de agora em diante, serás pescador de homens" (v.10).

3. Jesus muda o nome de Simão. Simão é uma abreviatura de Simeão, um dos doze filhos de Jacó (Gn 29.33). Esse patriarca não ficou conhecido exatamente pelo significado de seu nome, "formoso", mas pelo seu comportamento impulsivo (Gn 49.5-7). Foi em Betânia (Jo 1.42) que Jesus mudou o nome de Simão para Pedro (grego) ou Cefas (aramaico). A partir daí, houve uma profunda renovação de seu caráter e temperamento, como aconteceu com Jacó (Gn 32.28). Simão, que antes era impulsivo e volúvel, tornara-se Pedro, ponderado, constante e firme como pedra (Mt 16.18; Mc 3.16; Lc 6.14; Jo 1.42).


SINOPSE DO TÓPICO (1)
Simão era pescador, casado, discípulo de João, chamado por Jesus para ser pescador de homens e teve seu nome mudado para Pedro.

II. O CARÁTER DE PEDRO

1. Jesus conhecia seus discípulos (Jo 2.25). O Mestre conhecia perfeitamente a personalidade, o temperamento e o caráter de cada um dos discípulos.
Jesus sabia exatamente o que estava fazendo quando escolheu Pedro, cujo caráter precisava de aperfeiçoamento. Ao chamá-lo à sua seara, o Mestre enxergara além de suas fraquezas, pois conhecia suas potencialidades (Mt 16.15-19). Pedro demonstrou seu potencial convincentemente no Dia de Pentecostes, quando cheio do Espírito Santo (At 1.13,15; 2.4) pregou a Palavra, e quase três mil almas aceitaram a Cristo como Salvador (At 2.14-41).

2. Pedro nega a Jesus (Mt 26.69-75). Pedro fora à casa de Caifás a fim de acompanhar o desdobramento da prisão de Jesus (Mt 26.58). Sentado ao pátio, foi prontamente reconhecido por uma criada. Pedro, porém, negou a Jesus. Isso se repetiria por mais duas vezes (vv. 71-74). Arrependido, o apóstolo chorou amargamente (v.75; cf. Lc 22.61).

3. Procurado por Jesus ressurreto. Jesus amava tanto Pedro que lhe deu o privilégio de vê-lo ressurreto (Lc 24.34; 1 Co 15.5). Noutra ocasião, deixou-lhe uma mensagem para que se reunisse aos outros discípulos na Galiléia (Mc 16.5-7; Mt 28.10; Lc 24.12). Na terceira aparição, o Mestre perguntou a Pedro por três vezes: "Simão, filho de Jonas, amas-me?" (Jo 21.15-17). Na última reunião com os discípulos, Jesus não se referiu mais a Pedro. Apenas orientou-os a não se ausentarem de Jerusalém e esperarem a promessa do Pai (At 1.4-9).

4. Pedro no Pentecostes (At 2.14-36). O primeiro sermão de Pedro fora feito cinqüenta dias após a ressurreição de Cristo, ocasião em que também foi batizado no Espírito Santo (At 1.8), no Dia de Pentecostes. Pedro, que outrora negara o Senhor Jesus diante de simples serviçais, agora, confessa-o na presença de grandes autoridades.

5. Pedro após o Pentecostes.
Dois elementos marcaram o ministério de Pedro: graça para resistir à perseguição e zelo pela integridade da Igreja.
a) Resistindo à perseguição. Certa vez, após curarem um coxo em nome do Senhor (At 3.1-9), Pedro e João foram presos e conduzidos ao Sinédrio para serem interrogados (At 3). Pedro não era mais aquele discípulo de caráter inconstante e inseguro. Agora, regozijava-se por ser considerado digno de sofrer pelo nome do Senhor (At 5.42).
b) Zelando pela integridade. A igreja recém-formada seguia triunfante, entusiasmada e disposta ao sacrifício. Todavia, nem tudo era perfeito. Ananias e Safira, por exemplo, venderam voluntariamente sua propriedade a fim de que o dinheiro fosse doado aos apóstolos para a realização de obras sociais. Porém, em vez de entregarem o valor combinado, guardaram para si uma parte do dinheiro. Eles mentiram acerca do valor do imóvel. Pedro, pelo Espírito Santo, logo percebeu o que havia acontecido. Era um caso explícito de desonestidade! O apóstolo repreendeu-os severamente, e sobreveio-lhes imediata condenação divina (At 5.1-10).


REFLEXÃO
"A melhor forma de o crente resistir à perseguição é entregando-se ao Espírito Santo."

SINOPSE DO TÓPICO (2)
Jesus conhecia perfeitamente cada um de seus discípulos. Porém, convocou Pedro, a despeito de suas falhas, pois conhecia suas potencialidades, muito bem demonstradas após o Pentecostes.

MEMORIZE
"De todas as nobrezas, a mais invejável é a nobreza do caráter."
(S. Júlio Schwantes)

CONCLUSÃO

A exemplo de Pedro, todos precisamos aperfeiçoar nosso caráter. O Senhor Jesus continua trabalhando na vida daqueles que se entregam a Ele de todo o coração, capacitando-os para toda a boa obra.



AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO



Subsídio Devocional

"Pastoreando suas ovelhas (Jo 21.17)"
Muita coisa tem sido feita da pergunta que Jesus fez a Pedro três vezes: 'Amas-me?' Alguns pastores e professores falam sobre como essa pergunta cria intencionalmente um paralelo com as três negações de Pedro sobre Cristo. Outros enfatizam as diferentes palavras gregas traduzidas por amor nessa passagem. Quase esquecida em todas essas discussões está a ênfase que Jesus colocou sobre ministrar aos outros.
'Pastoreia as minha ovelhas', Jesus disse cada vez que Pedro afirmou seu amor por Ele. 'Se você realmente me ama, cuidará daqueles que me pertencem'. Observe que em nenhuma vez Jesus perguntou se Pedro amava as ovelhas. A motivação fundamental para o ministério era e é o amor por Jesus Cristo e uma disposição para agir. Há outra mensagem aqui também. 'Mesmo que você tenha fracassado', Jesus parece estar dizendo, 'Eu ainda posso usá-lo na vida dos outros'.
E quanto à sua vida? Você ama Jesus? Está provando seu amor por Ele servindo aos outros? Sua motivação em ministrar é para demonstrar seu amor por Cristo? Qualquer coisa menor não vai 'agüentar'.
Será que os fracassos do passado estão perseguindo você e impedindo-o de buscar a Cristo? Olhe para a lição de Pedro e descubra que Deus ainda deseja que você seja um servo frutífero para Ele. Se amamos a Jesus, ministraremos aos outros."


VOCABULÁRIO


Biografia: Descrição ou história da vida de uma pessoa.
Temperamento: O conjunto dos traços de uma pessoa que lhe determinam as reações emocionais, os estados de humor, o caráter.
Volúvel: Inconstante, mudável, instável; volátil.





EXERCÍCIOS


RESPONDA

1. Comente sobre a vida de Simão, o pescador.



2. Descreva o que você entendeu sobre a mudança do nome de Simão para Pedro.




3. Por que Jesus convocou Pedro, embora conhecesse suas fraquezas?




4. O que aconteceu a Pedro na terceira aparição de Jesus, após a ressurreição?



5. Quais os dois elementos que marcaram o ministério de Pedro?





APLICAÇÃO PESSOAL


Nosso temperamento, embora inato, pode e deve ser controlado pelo Espírito Santo. Uma vez que o temperamento, a personalidade e o caráter fazem parte integral do ser humano, o homem que deseja ser guiado por Deus deve entregá-los completa e totalmente ao Espírito do Senhor: "Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus" (Rm 8.14). Ser guiado em tudo! No sentir, pensar e agir!
Quão maravilhoso é para o crente ter o seu temperamento controlado pelo Espírito Santo! "Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito" (Gl 5.25).

Um Abraço de Seu Amigo Locutor Ev.marco do Programa Resgatando Vidas. Bom Estudos! Para Responder ás perguntas favor enviar para o e-mail

radioresgatandovidas@gmail.com

Sala Nova da Rádio

SALA DE BATE PAPO DA RADIO RESGATANDO VIDAS

Instruções para mudar seu Nome na Sala de Bate Papo




MAPA DOS PAÍSES QUE ACESSAM O BLOG DA RÁDIO

Free counters!

Tawk.to

  © Blogger templates Palm by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP