Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, 5 de outubro de 2010

JARDINEIRO,FANTASMA?

Jesus Cristo, um nome mundialmente conhecido. Uma personalidade que, de tão marcante, divide o mundo entre cristãos e não cristãos.

Biblicamente há outros nomes atribuídos também para Jesus, como Emanuel, por exemplo. O profeta Isaías proclama ainda uma outra lista de nomes: Maravilhoso Conselheiro, Deus forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. ( Livro do profeta Isaías 9.6).

Poderíamos listar ainda outros nomes mais. Porém, seríamos capazes de reconhecer Jesus?

Pensemos numa situação, bem cotidiana: algumas vezes somos surpreendidos em algum lugar com presença de alguém famoso, que estamos acostumados a ver na televisão. Pode ser num restaurante, num shopping, no saguão do aeroporto ou até no meio da rua. E aí temos certa dificuldade de reconhecer a pessoa, fora da telinha, sem a preparação normal que recebem para filmarem, agindo com pessoas como nós. Há quem custe a acreditar...

Por algumas vezes Jesus também não foi reconhecido. E o mais intrigante é que não foi reconhecido por pessoas muito amigas DELE. No evangelho de Mateus lemos:

“Os discípulos, porém, ao vê-lo andando sobre o mar, assustaram-se e disseram: É um fantasma. E gritaram de medo.” ( evangelho de Mateus 14.26)

E no evangelho de João lemos: “Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que choras? A quem procuras? Ela, julgando que fosse o jardineiro, respondeu-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde o puseste, e eu o levarei”. (evangelho de João 20.15)

Em ambos os casos as circunstâncias “cegaram” essas pessoas. Os discípulos estavam aterrorizados, com medo de morrerem naufragando. Maria estava profundamente triste pela morte de Jesus, e revoltada com o sumiço do corpo dele. E era a segunda vez que Jesus fazia a mesma pergunta: “Mulher, por que choras?”

As respostas de Jesus foram sublimes, a narrativa de João 20 continua em seu verso 27: “Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo: Tende bom ânimo, sou eu, não temais”

Jesus acalmou o vento e o coração dos discípulos.

No episódio de Maria Jesus apenas pronunciou seu nome, e ela imediatamente o reconheceu.

Há algo em nossas vidas que esteja nos impedindo de reconhecermos o Senhor ao nosso lado? Os temores de nossa vida fazem-nos ver de forma embaçada, confundindo a glória do nosso Salvador com espectros frutos de nossa imaginação? Ele está tão próximo de nós e não temos ciência disso?

Maria foi procurá-lo, e esperava encontrar Seu corpo, mas Ele apareceu ressurreto.

Quem sabe não temos procurado o Senhor da forma errada, querendo encontrá-Lo da forma que melhor nos parecer, por vezes sem crer que é Ele quem define o andar da história, que não está preso aos padrões do tempo e espaço; e que Ele não se limita apenas ao que conseguimos entender?

Dois outros discípulos estiveram ainda por mais tempo com o Jesus ressurreto e não o reconheceram. O capítulo 24 do evangelho de Lucas narra essa história:

“Nesse mesmo dia, iam dois deles para uma aldeia chamada Emaús, que distava de Jerusalém sessenta estádios, e iam comentando entre si tudo aquilo que havia sucedido. Enquanto assim comentavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou, e ia com eles; mas os olhos deles estavam como que fechados, de sorte que não o reconheceram.” (Lc 24.13-16).

Eles falavam justamente sobre a notícia da ressurreição de Jesus, e como o próprio Jesus havia predito que assim aconteceria. Os três andaram por quilômetros conversando, e não O reconheceram. Apenas quando Ele partiu o pão foi que “a ficha caiu”!

“E disseram um para o outro: Porventura não se nos abrasava o coração, quando pelo caminho nos falava, e quando nos abria as Escrituras?” (Lc 24.32)

Pode acontecer de estarmos tão envolvidos com os assuntos eclesiásticos, que o próprio Senhor tem sido negligenciado por nossas atenções. Ele está o tempo todo ao nosso lado, estamos em contato direto com Seus ensinos, e esses nos incomodam para voltarmos ao primeiro amor, como deveria acontecer com a igreja de Éfeso, no livro de Apocalipse. Isso é, não se esquecer do principal motivo de nos ocuparmos com as coisas do Senhor: Ele próprio.

Não devemos deixar que as circunstâncias da vida, que nossos temores, que nossos anseios e até que nossas devoções exacerbadas nos impeçam de reconhecer o nosso único e amado Salvador e Senhor em nossas vidas.


Enos Moura Filho. (Presbitero)

Sala Nova da Rádio

SALA DE BATE PAPO DA RADIO RESGATANDO VIDAS

Instruções para mudar seu Nome na Sala de Bate Papo




MAPA DOS PAÍSES QUE ACESSAM O BLOG DA RÁDIO

Free counters!

Tawk.to

  © Blogger templates Palm by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP